Sábado, 28 de Outubro de 2006

Novamente...

Não restavam dúvidas que este homem não era um homem qualquer.

Raros se dariam a este trabalho nos dias de hoje, e este parecia ser bom demais para ser verdadeiro mas a realidade é que todos os dias, lá estava mais uma rosa na caixa do correio e até os meus vizinhos já me olhavam com uma certa cumplicidade, esboçavam um ligeiro sorriso quando me viam, afinal eles também se apercebiam vagamente do que se estava a passar, e eu já me andava a sentir um pouco enredada com aquela situação. Teria que resolver isto o quanto antes e não me sentia com coragem para adiar mais este encontro que parecia inevitável. Queria olhar-te nos olhos e compreender as tuas razoes, a minha curiosidade nesta altura já era demasiado grande e talvez por teres respeitado o facto de me deixares decidir quando voltaríamos a estar juntos, fez com que te desse mais uma oportunidade, no fundo para ambos.

A seguir a um bom banho e a um jantar ligeiro, fui até ao café onde sabia que habitualmente irias todas as noites, à hora do costume, e sentei-me numa mesa de maneira a que entrasses e não te apercebesses logo da minha comparência, queria olhar para ti, observar-te sem que me visses, queria fazer-te uma surpresa, saudei a senhora que me tinha dado aquelas valiosíssimas informações naquele dia, e pedi algo para mim… enquanto aguardava que chegasses, fui descobrindo as ultimas noticias do dia e cada vez que entrava alguém naquele café, a minha atenção dirigia-se unicamente para a entrada do estabelecimento, mas ainda não eras tu, com muita pena minha. Á medida que os minutos passavam sentia-me cada vez mais agitada, mas tentava manter-me calma, sem tentar dar a entender o que fazia ali, a senhora que estava ao balcão olhava de vez em quando para mim, ela tinha fixado bem o meu rosto desde aquele dia, e parecia decifrar o porque da minha presença aquela hora naquele café,visto não ser um hábito, de vez em quando dirigia-se à minha mesa para perguntar se estava tudo bem, e eu acenava-lhe que sim com a cabeça, sorrindo…

Estava distraída a olhar para um programa que estava a começar naquele exacto instante quando senti movimento vindo da porta do estabelecimento e assim que reparei, fiquei petrificada, eras tu, com um olhar visivelmente animado, fazias-te acompanhar por uma mulher mais ou menos da mesma idade, cativante, com cabelos longos, e um sorriso fácil, pareciam trocar confidencias com um certo a vontade, e da maneira como estavas absorvido nem te deste conta de quem estaria por ali.

Era mau demais para ser verdade!!!

Não queria acreditar no que estava a ver, afinal tinhas-me enganado, talvez nada do que tinhas dito fosse o que realmente sentias, apenas um embuste que usarias com tantas outras. Mais uma decepção que estava a ter por causa daquele libertino que adorava fazer jogo sujo com qualquer mulher, e que lhe devia dar imenso prazer, talvez fosse o seu passatempo preferido, pensei eu. Naquela altura senti uma enorme fúria, um enorme sentimento de ódio por ter acreditado em ti, e sentia-me igualmente idiota por ter acreditado na tua sinceridade, apenas me apetecia dirigir-me a ti e dizer tudo o que tinha atravessado para te dizer.

Respirei fundo, levantei-me, sentia as mãos a tremer, o coração a bater apressadamente. Dirigi-me ao balcão, paguei e resolvendo não deixar a minha visita passar em branco, ia agora fazer questão que soubesses que estava ali e que não me farias mais de tonta. Passei pela mesa onde ambos se tinham sentado, e propositadamente toquei-te na cadeira onde estavas instalado.

- Peço desculpa, foi sem querer! Disse-te cinicamente com uma vontade de te chamar todos os nomes e mais alguns, mas ao inverso disso, olhei-te fixamente para ver a tua reacção. Não me esperavas ali e isso viu-se quando te apercebeste que era eu. Ficaste sem saber o que dizer, surpreso com a minha presença, nem conseguiste proferir uma simples palavra.

Virei-te as costas, sai do café. Chovia a potes, até o tempo não ajudava. Desta vez não me apetecia chorar, estava demasiado revoltosa para isso, apenas me apetecia afastar-me  o mais rápido possível dali e seguir com a minha vida.

Em vez disso sentei-me no carro, fechei os olhos para ouvir a música que estava a dar na rádio.

Abstrai - me do resto do mundo…

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias
19 comentários:
De FM a 28 de Outubro de 2006 às 14:15
Nem tudo o que parece é...
BJ e bom fim-de-semana.

FM


De FlordeLis a 28 de Outubro de 2006 às 14:25
Realmente, no fundo, ainda sem saberes, é o que se vai verificar no final da historia...



De marisa a 28 de Outubro de 2006 às 18:13
no fundo e mesmo isso as aparencias iludem ou talvez nao... mas km se daria a tanto trab ?!? uma rosa todos os dias... hummm


De FlordeLis a 28 de Outubro de 2006 às 18:39
Independentemente das intenções,nós mulheres gostamos de acreditar que ainda existem homens com ideias originais ... !
Sonhar ainda não paga imposto.
Vamos acreditar...






De nevoeiro_vagabundo a 29 de Outubro de 2006 às 09:49
espero que tenha sido uma música como esta que tens no blog para te abstraires do mundo...é linda
beijo vagabundo


De FlordeLis a 29 de Outubro de 2006 às 13:47
Não foi esta, concerteza...
Mas muito semelhante, e da mesma maneira me transportou a alma para bem longe dali...



De Ari a 30 de Outubro de 2006 às 09:45
Concordo com um comentario já feito anteriormente.

Não devemos sofrer por antecipação, nem sempre o que julgamos ver corresponde à realidade.


Um beijinho grande


De FlordeLis a 30 de Outubro de 2006 às 19:13
Sim,mas a nossa imaginaçao não para e daí sofrermos antes de confirmar os factos tal e qual como são...
Aqui foi mais uma prova que isto é real.



De quebrei o silencio a 30 de Outubro de 2006 às 15:08
Não tenho palavras ... teu catinho me inspira.

**beijo** com profundo respeito.


De FlordeLis a 30 de Outubro de 2006 às 19:29
Agradecida... :) é sempre bom saber que inspiramos as pessoas e que de certa forma, se consegue proporcionar momentos agradaveis a alguém... e quantos mais momentos melhor... ;)





De FlordeLis a 30 de Outubro de 2006 às 20:01
Não consegui visualizar a tua página... vou tentando nos próximos dias...


De Pequenita - Quando o Teu Corpo e o Meu.. a 30 de Outubro de 2006 às 17:53
qq dia peço-te um conto para o meu blog...adoro ler-te....

Cuerpo de mujer, blancas colinas, muslos blancos,
te pareces al mundo en tu actitud de entrega.
Mi cuerpo de labriego salvaje te socava
y hace saltar el hijo del fondo de la tierra.

Fui solo como un túnel. De mí huían los pájaros
y en mí la noche entraba su invasión poderosa.
Para sobrevivirme te forjé como un arma,
como una flecha en mi arco, como una piedra en mi honda.

Pero cae la hora de la venganza, y te amo.
Cuerpo de piel, de musgo, de leche ávida y firme.
¡Ah los vasos del pecho! ¡Ah los ojos de ausencia!
¡Ah las rosas del pubis! ¡Ah tu voz lenta y triste!

Cuerpo de mujer mía, persistiré en tu gracia.
Mi sed, mi ansia si límite, mi camino indeciso!
Oscuros cauces donde la sed eterna sigue,
y la fatiga sigue, y el dolor infinito.

Boa Semana
besitossss by pequenita


De FlordeLis a 30 de Outubro de 2006 às 19:49
Com todo o gosto... Até posso fazer mais do que isso se tiveres interessada... :)



De Paulo a 30 de Outubro de 2006 às 18:47
Que grande desilusão...
Não esperava nada por esse momento após tanta rosa oferecida....
Mesmo com a musica a ajudar nao ha momentos que não dão para esquecer.
Beijito


De FlordeLis a 30 de Outubro de 2006 às 19:53
Nem eu, mas a vida prega-nos partidas, quando menos esperamos.
Espera pelo próximo e derradeiro capitulo... vais gostar.



De apenasMadalena a 31 de Outubro de 2006 às 16:05
Eu bem digo que vou morrer de curiosidade!!!
Será que não podias andar um cadinho mais depressa?????
Ehehehehe
Tou a brincar, mas que tou ansiosa pelo fim, lá isso tou.
Bjokas
Madalena


De FlordeLis a 31 de Outubro de 2006 às 19:45
Já não falta muito, espera mais um pouco...



De Pequenita - Quando o Teu Corpo e o Meu.. a 31 de Outubro de 2006 às 18:40
Bom feriadoooo....kiseessssss dulces by pequenita :o)


De FlordeLis a 31 de Outubro de 2006 às 19:47
Igualmente.
Tenho uma proposta para te fazer.
Das-me o teu e-mail?



Memoriza comigo...

Memórias Recentes

...

Para ti...

Fonte

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006