Domingo, 22 de Outubro de 2006

"O jantar"

Estava ansiosa por aquele momento!

Apesar de não querer parecer agitada com aquela situação a verdade é que me tinha perturbado e enquanto escolhia o traje mais apropriado para aquela ocasião senti o nervosismo a crescer de minuto para minuto.

Escolhi uma roupa sóbria mas com um ligeiro toque de sensualidade. Queria que tudo fosse perfeito naquela noite, independentemente do que iria acontecer dali para a frente.

Dirigi-me ao restaurante.

A entrada era bastante simples, com um pequeno candeeiro à entrada a iluminar uma porta de madeira bem tratada. Costumava ter uma música ambiente bastante discreta que permitiria uma conversa agradável, sem aquelas interrupções desagradáveis que acontecia em alguns locais quando a musica estava demasiado alta. Cheguei alguns minutos mais tarde em relação à hora combinada com receio de jantar sozinha pois poderia correr esse risco.

Quando entrei e desci as escadas em direcção à sala de jantar, procurei-te com o olhar e avistei-te numa mesa disposta num local discreto um pouco mais ao fundo da sala…

Sorriste ao ver-me chegar e depressa como qualquer cavalheiro levantaste-te e ajudaste-me a sentar.

O teu sorriso deixou-me enternecida e senti as pernas a tremer por baixo da mesa. Olhavas-me nos olhos e o teu olhar estava límpido, fixo em mim. Sentia-me uma adolescente, naquele momento, transmitias-me acima de tudo sinceridade e despretensão. Devolvi-te o sorriso de volta. Reparei ainda que em cima da mesa, estava o livro, o nosso livro, pois tinha-se tornado o elo de ligação entre nos, e sorri ao vê-lo.

Durante o jantar a conversa desenrolou-se normalmente, como se já nos tivéssemos conhecido à bastante mais tempo, e finalmente contaste-me um pouco da tua vida, do teu trabalho, como ficaste viúvo, a tua vida desde então, e toda a tua vivência quase me trouxe lágrimas aos olhos apenas de te estar ali a ouvir, parecia viver tudo aquilo sentindo o que terias sentido no passado, acabei a dar por mim a contar-te situações que sempre guardei e que raramente transmitia aos outros, desprendi-me aos poucos, sem me dar quase conta disso. Senti a tua atenção, afinal estavas tão curioso quanto eu, o me confessaste mais tarde, o facto de teres adiado o telefonema tinha-se tornado quase insuportável, mas tinhas tido muitas coisas a fazer, o que tinha já calculado, mas preferia acreditar que não estarias interessado realmente.

Naquele instante senti um desejo, uma vontade louca de te dar um beijo ardente bem molhado, bem arrebatado, bem sentido! …

Respirei fundo, engoli em seco!

Estava a tentar conter algo que não sabia por mais quanto tempo iria conseguir, mas parecias calmo e sereno, que nada te estaria a afectar e achei por bem, resfriar a minha vontade carnal de sentir aqueles lábios suculentos que me tinham despertado a atenção logo no primeiro dia…

Revelaste-me que sabias onde eu trabalhava e que não era apenas desde aquele dia que me conhecias, mas que só tinhas te sentido tentado a abordar-me naquele altura que me viste no centro comercial… ali tinha-te parecido o momento certo.

Aquela revelação tinha caído que nem uma bomba!

Não sei o que senti naquele momento, se surpresa por me teres dito que já me observavas à já algum tempo, se desconfiada com aquela tua atitude, sentia-me certamente confusa com o que me tinhas acabado de me contar.

Acabamos a nossa refeição silenciosamente, acho que me deste tempo para reflectir e continuarmos o nosso encontro se assim o desejasse. Perguntei-te finalmente, o porque da tua curiosidade e adiaste a resposta propositadamente, e resolvi não insistir mais naquele pormenor que preferias esconder. A dada altura pousaste a tua mão na minha, talvez um pouco em jeito de desculpa, estremeci ao sentir o teu toque, mas aquela historia fez-me resfriar aquele desejo que se tinha apoderado de mim, à momentos atrás. Senti que nada que pudesses fazer naquela altura iria alterar o meu estado de espírito e entendi que mais nada estaria ali a fazer. Sentia-me triste e tinha perdido a confiança que tinha começado a sentir, senti-me desapontada e traída.

Olhei-te nos olhos, pedi-te desculpa e abandonei o restaurante.

 Vagueei pelas ruas sem destino, senti vontade de chorar, apetecia-me estar apenas sozinha. Sentia-me traída, enganada, gostava que me tivesses explicado o porque, Tinha bastado isto, mas ate isso tinha ficado sem resposta e foi o que me fez sentir ainda pior.

Finalmente, já cansada de tanto tentar arranjar uma explicação para tudo o que se tinha passado, decidi voltar para casa e tentar dormir.

Iria tentar esquecer aqueles últimos acontecimentos e meter uma pedra sobre o assunto.

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias
19 comentários:
De libertynus a 22 de Outubro de 2006 às 14:55
quando não se esclarece os pormenores, estes tornam-se em pormaiores

beijo..espero que os personagens voltem a se encontrar


De FlordeLis a 22 de Outubro de 2006 às 14:59
Esta história não acaba aqui, podes ter a certeza disso!...



De marisa a 22 de Outubro de 2006 às 19:15
ola menina tenho andado ocupadissima nao tenho vindo a net... mas sei k mto se passou... ha males k vem por bem li tudo pois se estivesse a ler dia por dia morreria de curiosidade a saber k este nao e o fim

estas fantastica a tua escrita amadurece os teu promenores mto bem contados

beijocas e kro saber como isso vai ficar...


De FlordeLis a 22 de Outubro de 2006 às 19:19
O estado de Curiosidade comanda a vida, é o que nos faz descobrir tudo o que se passa em nosso redor...



De Paulo a 22 de Outubro de 2006 às 22:02
Pode a pessoa se estar a mostrar muito firme mas o seu interior estar ao rubro, nao o consegue é transmitir para o seu extrior. Apenas o faz com certos gestos sem usar o dialogo. O pormenor da mão foi um sinónimo de querer dizer o que sente. Não desanimes e da-lhe atenção porque ele provavelmente estará bem mais nervoso de exprimir o que sente do que tu.
Beijinhos e parabens pelo teu trabalho.
Paulo


De FlordeLis a 22 de Outubro de 2006 às 22:26
Acho que ninguém gosta de se sentir invadido na sua privacidade, principalmente por desconhecidos que te perseguem e que observam em silêncio todos os teus passos...

Em breve sairá mais um episódio. Aguarda e verás o que vai acontecer...




De Paulo a 22 de Outubro de 2006 às 23:18
Sim, por ai poderás ter a tua razão mas poderás estar perante uma pessoa que pretende analisar primeiro a outra parte antes de se apresentar. Poderás estar perante uma pessoa muito fragil e que só dá um passo maior que outro com certeza.
O passado pode ser reflexo disso.
Beijito e espero pelo desenrolar da história.


De FlordeLis a 23 de Outubro de 2006 às 18:41
O futuro o dirá...


De FM a 22 de Outubro de 2006 às 22:57
Algo me diz que isto não fica por aqui....
BJ

FM


De Fernando a 23 de Outubro de 2006 às 10:34
Será por causa dos posts anteriores q dizem isso mesmo?


De FlordeLis a 23 de Outubro de 2006 às 18:39
Sim, não acabará, ainda vai dar pano para mangas...



De Fernando a 23 de Outubro de 2006 às 10:42
Claro que não acaba por aqui... Vagueando descalça pela rua, sentindo-se enganada, a nossa heroína chega a casa com um "querido, cheguei", para rapidamente se dar conta que não há querido. Há muito tempo que não há querido, e a última experiência demonstrava isso mesmo... Enquanto olha pela janela a ver a chuva torrencial que lava as ruas da grande cidade, jura vingança...
Para os menos atentos, é agora no próxima capítulo que vai começar uma orgia de sangue e sexo. Uma mistura de Barbarella com Catwoman.
(estes comentários de segunda-feira de manhã nunca correm nada bem...)


De FlordeLis a 23 de Outubro de 2006 às 18:38
Talvez penses que sim, talvez não aconteça... o próximo episódio já está escrito, portanto quando sair verás...



De kenekinha a 24 de Outubro de 2006 às 11:33
Assola-se a memória todos os jantares que tivemos,a paz o bem estar o sossego que nessas alturas me envolvia.
Recordo-me que era ao jantar que a ilusão de o tempo parar,de tudo o que nos rodeava simplesmente deixar de existir se tornava excepcionalmente tangivel.
Foi sentados frente a frente a uma mesa de restaurante,uns melhores outros nem por isso e inumeros tanakas (ainda hoje estou para saber o que seria as formigas a subir as arvores), que tivemos os momentos mais intensos as conversas mais esclarecedoras as confissões mais sinceras.
Tantos beijos como estrelas ha no firmamento MEU ANJO.


De FlordeLis a 24 de Outubro de 2006 às 21:08
Ainda estou curiosa para saber o que é que contém o prato "formigas a subir às árvores"... Espero vir descobrir isso num futuro próximo......
Contigo!

Aquele ...


De Pequenita - Quando o Teu Corpo e o Meu.. a 24 de Outubro de 2006 às 16:01
Beijo partido de vidro
incandescente.
De cores escorridas
e pincéis sujos.
Beijo de papel branco
No canto jogado.
Beijo cheio de ausências,
de cortes e dores,
De braços cansados.
Beijo de caminho sem volta,
de quarto vazio.
Beijo sem boca,
Sem corpo, sem custo.
Beijo no claro e vazio da minha alma
Que se solta...
Calma.


kissesss by pequenita


De FlordeLis a 24 de Outubro de 2006 às 21:11
Agradeço a tua visita e o poema deixado...



De Ari a 24 de Outubro de 2006 às 22:43

De uma coisa tenho a certeza quando duas pessoas se encontram nesta sintonia, não se consegue voltar atrás...

Quando os olhares se cruzam e se olham,e não encontram um vazio...

Um beijinho muito grande


De FlordeLis a 25 de Outubro de 2006 às 12:13
Quando assim é, a vida ganha outro estimulo,outra alegria...



Memoriza comigo...

Memórias Recentes

...

Para ti...

Fonte

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006