Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2007

Um conto... 3ª Parte

Sentia-me satisfeita por ter decidido a sair de casa.

O que realmente estava a precisar era de ter por perto existências, sem ser a minha.

Mesmo que só.

Nunca fui de muitas lamúrias, a vida assim me tinha demonstrado que sentir pena de nós próprios, não fazia de nós melhores pessoas, ou transformaria alguma coisa se não fossemos nós próprios a pensar de uma outra forma, a encarar a vida numa outra perspectiva.

O restaurante começava a ter outro ambiente. As mesas pareciam agora ter mais vida, aos poucos iam entrando casais de namorados que lá se iam acomodando e trocando confidências, sorrindo através de uma ou outra piada lançada por um dos membros. Entraram também alguns casais com crianças, algumas delas demasiado irrequietas que remexiam com a paz que ainda se conseguia sentir, dando alguma vida, e provocando nos pais algum desagrado, alguns mais ferozes que outros….

Algumas mesas estavam reservadas para grupos maiores, talvez comemorações de aniversários. Os empregados começavam a circular com algum vigor, parecendo darem bem conta do recado.

Uma mesa em particular tinha cativado um pouco mais a minha atenção.

Sentado, numa mesa mais distante estava um homem acabado de chegar, que cativou os meus sentidos. Tinha um rosto bem delineado, másculo, e transmitia uma calma invejável. Tinha muito bom gosto no vestir, dando-lhe um certo charme e o seu porte altivo dava-lhe uma imagem difícil de ignorar. Transmitia segurança, e fazia parecer que a experiência de vida tinha-lhe dado um certo á vontade para estar bem em qualquer que fosse o ambiente em que se encontrasse mas sem entrar em exageros.Os seus olhos, negros como olivas, perdiam-se pelo restante espaço não ocupado por si mesmo, embora parecendo ausente nos pensamentos, não parecia perdido, apenas absorto no que envolvia a sua mente. Fez sinal ao empregado que passou mesmo ao lado da sua mesa, e depressa foi atendido. Tinha um ligeiro sorriso nos lábios que lhe dava um ar misterioso, perigoso, até. Fazia lembrar aqueles actores de cinema inatingíveis, que nos chegam pelo ecrã de uma sala de cinema, e que almejamos ter um dia aos nossos pés, mas que sabemos que se trata de algo impossível de alcançar.

(No entanto quem nos proíbe de sonhar, não é….)

Estava tão distraída que nem reparei que mesmo ao lado, se tinha sentado um casal amigo que depressa se fez notar que ali estavam, quando deram pela minha presença. Preferia que não o tivessem feito. Até á pouco tempo queria estar acompanhada, para me distrair, e não pensar no que me tinha deixado naquele estado à horas atrás, e agora deparava-me com uma vontade enorme do contrário, queria tanto ter passado despercebida aos olhares dos outros e sempre que podia agora deitava um olhar disfarçado, subtil aquela mesa, aquele homem que tinha prendido a minha atenção.

Entre gargalhadas e conversas de ocasião acho que ninguém deu pelo meu interesse.

Isso deixou-me aliviada.

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 11:43
| Vossas memórias
6 comentários:
De Manuel a 29 de Janeiro de 2007 às 15:54
Um conto que defino como um estar, sem estar. Quantas vezes isso acontece, e só estamos bem onde não estamos.
.....................................
Passando adiante.
Vou te mandar beijinhos. Dos que não prestam. dos que não sabem a nada. é o mesmo que estares num restaurante e a comida ser insípida, sem sabor, sem ser comida, sendo nada. É isto os beijinhos virtuais. São beijos sem serem. acho que não dão satisfação nenhuma. A única ilusão é o imaginar que um dia possam acontecer e um dia tornar-se realidade.
.....................
Que comentário, por ele merecia beijinhos verdadeiros.
Fica bem.
Que a felicidade seja tua companheira.
Manuel


De baraujo a 30 de Janeiro de 2007 às 12:26
bem... fica para tu opinares se foi ainda bem q lá estava o casal ou n... mas os cafes conseguem trazer sempre historias interessantes.... espero pla continuaçao...:)

ainda bem q aceitas o convite :)
alias. numa primeira faser ainda pensei q fosse eu q estava nessa mesa [i'm joking]

jinhos secretamente doces


De apenasMadalena a 30 de Janeiro de 2007 às 16:21
Olha os amigos são 1 bem precioso, mas às vezes tb podem ser cá uns tira t...!!!!
Ehehehe
Mas pronto, pareçe q td lá se resolveu...
Bjokas gandes
Madalena


De melinha a 31 de Janeiro de 2007 às 10:56
boa descrição de sentimentos...amei!


De Leminho a 2 de Fevereiro de 2007 às 11:20
As palavras são sons e cores; sentimentos, paixões. Isso tudo e a simplicidade de as escrever.
Gostei
bj
Gui


De Vera a 3 de Fevereiro de 2007 às 22:18
O mal destes contos é a curiosidade em ler sempre mais e mais. Ficamos atiçados de todo!
Gosto imenso da forma como usas as palavras, como despertas o interesse e a líbido.

Beijinhos


Memoriza comigo...

Memórias Recentes

...

Para ti...

Fonte

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006