Sábado, 6 de Janeiro de 2007

Conto - II

Estremeci.

Fiquei com a certeza que tudo tinha realmente se alterado. O que tinha acontecido, pertencia, de facto, a um passado, que persisti em alimentar e em acreditar que ainda não estava perdido. Preferi alimentar uma esperança, uma réstia de sentimento durante mais de um ano, mas tudo não tinha passado de um equívoco.

Percebi que tinha cometido um grave erro naquele exacto momento.

Engoli em seco, senti uma mágoa que me encheu o peito rapidamente, como se tentasse trespassar um corpo, agora frágil desprovido de razão para manter esta existência viva.

Tentei permanecer firme, segura, não deixei transparecer o que me ia na alma naqueles instantes, apenas me perguntava com alguma insistência o porque. De estar ali. Sorria, embora se tratasse de um sorriso amarelo, até forçado, sentia-me uma actriz ignorada numa cena de um filme que contava uma história de amor que ninguém patrocinou, apenas tratando-se de mais um fracasso cinematográfico de um realizador qualquer…

Perdia-me nestes pensamentos enquanto tentávamos disfarçar, e evitar algo que sabíamos muito difícil conseguir contornar. Sentei-me naquele banco de jardim já gasto pelas intempéries, pelas estações do ano que se sucediam, sem olharem para trás… finalmente resolvi perguntar-te o porque de estarmos os dois ali... Olhaste para mim e instalou-se um silêncio implacável…

Apenas se ouvia o passar do vento, e um murmúrio provocado ao passar por entre as arvores já sem as suas vestes, que circundavam aquele minúsculo pátio, quase secreto de uma igreja construída no sopé de um pequeno monte mesmo à entrada da cidade … mas quase esquecida por quem ali habitava, apenas relembrada quando no Verão o regresso dos emigrantes, dava mais vida aquele local.

Não soubeste responder. Apenas baixaste o olhar, como quem não queria reconhecer o que estava a vista de ambos. Não querias admitir que o que estava a acontecer ali, eram apenas duas pessoas que não queriam reconhecer que o passado já lá ia mas que teimávamos em deixar sempre uma ponta solta em algo que não queríamos por um ponto final.

Uma historia que se repetia indefinidamente já á muito tempo, sem fim à vista….

Seguraste-me nas mãos, aproximaste-te de mim…

Senti o calor que emanava do teu corpo apenas com aquele gesto.

Esperei.

Olhaste-me, ainda sem saber bem o que dizer, mas algo magico percorreu aquele momento…

- Sabes bem porque estou aqui. Respondeste finalmente….

Olhei para ti, fixei o meu olhar no teu, finalmente aceitei o que se tinha transformado em apenas uma memória que mantinha ainda viva.

- Não. Já não sei. Percebi isso agora.

Dei-te um beijo no rosto.

Virei as costas. Não olhei para trás.

Nunca mais lá voltei.

Nunca mais te vi.

 

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias
10 comentários:
De ZePedro a 8 de Janeiro de 2007 às 11:03
Uma maneira bem correcta de expressar que algo acabou.
De um modo natural, simples mas com todo o significado inerente a uma conclusão, muito foi dito sem que fosse necessário articular palavras.
Parabens
Beijo


De apenasMadalena a 8 de Janeiro de 2007 às 11:20
Não poderia ser mais esclarecedor: Acabou o que havia a acabar.
Afinal, diz-se que há sempre um fim para tudo....
Lindo :)
Bjokas gandes
Madalena


De Leminho a 8 de Janeiro de 2007 às 16:52
Encontros e desencontros. A vida é assim.
bj
Gui


De Manuel a 8 de Janeiro de 2007 às 21:57
Um encontro que não chegou a ser encontro, uma vez que houve a rejeição de um dos componentes.
É que para haver encontro tem de haver duas pessoas. No caso apenas se cruzaram, mas seguiram por caminhos diferentes.
Tudo de bom para ti.
Um beijinho.
Manuel


De melinha a 9 de Janeiro de 2007 às 09:46
mto triste mas mto belo ao msm tempo gostei bastante :)



PS.: vê o novo post do meu blog, é a resposta ao teu comentario no poema "sombra"
bj


De FlordeLis a 9 de Janeiro de 2007 às 12:36
Ok, fica combinado. Passei lá ontem, finalmente! (sei que estou em falta....)
Mas passarei hoje ainda para ver então a minha resposta...



De Sergio Alex a 9 de Janeiro de 2007 às 21:53
Ena, até ia ficando sem fõlego a ler isto tudo!

Quando é pegas nisto tudo e escreves um livro? :)

Isto é, se não o escreveste já?

Boa semana.


De marisa a 10 de Janeiro de 2007 às 19:09
e engraçado como a vida nos prega situçoes como esta... ao fim de contas estao va os 2 e por algum motivo por mto ou pouco importante estavam la, so k as coisas com o passar do tempo levam rumos tinham rumos diferentes...
beijocas


De Paulo a 11 de Janeiro de 2007 às 21:16
Um encontro que poderia ter tido outro fim mas o destino lá o traçou que teria que ser assim.
Beijito


De FM a 13 de Janeiro de 2007 às 16:51
é dificil terminar com algo que o nosso coração, e por vezes, até mesmo a razão, não compreende.
É algo que aprendemos com a vida, e nos proporciona uma maturidade incrivel.
BJ

FM


Memoriza comigo...

Memórias Recentes

...

Para ti...

Fonte

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006