13 comentários:
De Secreta a 11 de Dezembro de 2006 às 09:56
Um texto comovedor. Real , real demais ...
Beijito.


De Guilherme F a 11 de Dezembro de 2006 às 15:14
Mais uma palavras e era uma lágrima. Ficou, presa num castanho de Outono.Ficou.
Gostei muito.
Bjs
Gui


De apenasMadalena a 11 de Dezembro de 2006 às 15:34
Palavras dedicadas a um tema triste, mas infelizmente presente no nosso dia a dia cada vez mais...
Quando lemos ou vemos situações destas pensamos que somos muito ingratos por vezes ao pensarmos que nos falta isto ou aquilo...
Que ao menos o Natal sirva para lembrar um pouco mais estas situações delicadas e deixe de ser apenas uma época de consumismo.
Tocaram-me as tuas palavras...
Cada vez mais sinto a pessoa sensível q és :)
Bjokas gandes
Madalena


De Manuel a 11 de Dezembro de 2006 às 19:50
Um tema demasiado pertinente para ser comentado.
Fica bem.
Manuel


De mmarques a 11 de Dezembro de 2006 às 22:08
Ele ficou! e continuará com o seu sofrimento, alheio aos que passam, porque a sociedade não sabe que ele existe.
A solidariedade é palavra oca para o tempo presente; cada um tem pressa de chegar, não se sabe aonde, não pode pensar no outro porque lhe atrasa o passo!
Escreveste bem! Gostei.
Continuo esperando pelo teu email com as novidades prometidas.
E quero dizer-te que gosto de ser português; só lamento que não se faça política de proximidade, exactamente para diminuir os casos como aquele sobre o qual escreveste.


De Sergio Alex a 12 de Dezembro de 2006 às 01:55
Infelizmente há demasiadas pessoas que ficam, porque não têm onde ficar...


De devaneiosmeus a 12 de Dezembro de 2006 às 10:04
Este texto este tema é demasiado real , retrato de muitas vidas que cada vez fazem mais parte do nosso quatidiano...
É mesmo assim cada um segue a sua vida e outros ficam parados calados sem terem para onde ir.
Bjinhos
ana


De poeta_vagabundo a 12 de Dezembro de 2006 às 13:03
um beijo deste vagabundo que felismente só e de sonhos...


De Vera a 12 de Dezembro de 2006 às 16:54
Lindo texto... triste, mas lindo e real.
Comove mesmo!
Beijinhos!


De Pequenita - Quando o Teu Corpo e o Meu.. a 12 de Dezembro de 2006 às 18:27
Beijo partido de vidro
incandescente.
De cores escorridas
e pincéis sujos.
Beijo de papel branco
No canto jogado.
Beijo cheio de ausências,
de cortes e dores,
De braços cansados.
Beijo de caminho sem volta,
de quarto vazio.
Beijo sem boca,
Sem corpo, sem custo.
Beijo no claro e vazio da minha alma
Que se solta...
Calma.


Beijocaaaa by pequenita...."Qunado o Teu Corpo e o Meu"


Memoriza comigo...