Segunda-feira, 13 de Dezembro de 2010

Sexual ou Sentimentalista?

 

 

 

Tenho consciência de que já fui maioritariamente sexual, em que apenas o meu interesse se fixava na busca do prazer, em que o meu objectivo era em dar e receber sem para isso haver sentimentos à mistura.

Também já fui sentimentalista, em que o sentimento era o que fazia mover o meu estado de espírito, a minha maneira de estar perante os outros e o sexo uma consequência disso mesmo. Da sua existência ou da sua anulação.

A ideia de que o ser feminino é movido pelo sentimento, não me parece de todo verdadeiro. Também gostamos de sexo, apenas pelo sexo, mesmo dentro de uma relação estável [ou não], onde pode existir [ou não] um sentimento.

E a ideia de que os homens são puramente sexuais, também sabemos que não é assim. Os homens também choram, também sentem. Apenas não o demonstram com a facilidade de que nós mulheres o fazemos, sem qualquer problema.

O importante é que nos sintamos bem como somos e com o que fazemos, sem magoar o próximo, independentemente da nossa posição.

E vocês, como se sentem hoje?...

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias
Quinta-feira, 25 de Março de 2010

Oscilações

 

 

 

 

 

Oscilo entre a vontade de te odiar e a vontade de te ter.

 

Entre a vontade de te explicar que ver-te é o meu ultimo desejo e a intenção de te agarrar num beijo provocador, intenso e nele sentires o tesão que me flagela a pele. Entre o empenho de riscar as memórias que tenho de ti, e a vontade de te agarrar pelos colarinhos e sentir o teu sexo tenso contra o meu corpo. Entre a vontade de me arrancar um Adeus e a vontade de te murmurar Fode-me! sem qualquer tipo de pudor.

 

Diz-me que não te sentes excitado entre as palavras meigas que te sussurro e as palavras grosseiras que te acendem. Diz-me que quando te telefono e provoco, não queres sentir esse mesmo deleite que te transmito ao saberes que fico embriagada apenas ao dizer-te. Diz-me que não satisfazes o teu desejo uma e outra vez, ao sentires que consolo o meu vezes sem conta enquanto te afiguro a penetrares-me com toda a excitação que te palmilha o corpo, enquanto ouves os meus gemidos do outro lado.

 

Tens coragem de me dizer?

Então diz-me.

Fico a espera do teu telefonema…

 

 

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 17:55
| Vossas memórias | Devaneios (2)
Terça-feira, 24 de Junho de 2008

Sentes?

Sentes a brisa que te invade, essa brisa que te toca no rosto e se dilui à tua volta?

Sentes a magia que te envolve num mundo mágico, num mundo que apenas nós entrámos?

Sentes as lágrimas que brilham no teu rosto quando a lembrança te traz um sentimento de falta, de vazio, de ternura e de ausência de momentos que não voltam mais?

Sentes a música que te persegue e que te ficou no ouvido durante este tempo que passou e que te inquieta quando a sussurras baixinho?

Lembraste das gargalhadas que soltavas, das brincadeiras, dos sorrisos, dos planos que fizemos para o futuro?

Tudo se esvanece no tempo. Tu desapareceras também.

 

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:39
| Vossas memórias | Devaneios (3)
Domingo, 8 de Junho de 2008

Montanha Russa

Sei que estás aqui mas nem sempre me acompanhas. Sinto-te o alento, mas depressa perco-te no horizonte. Foges e espreitas quando te procuro, mas a procura não te acha, apenas te recolhe na curva que te vira em direcção a mim, apenas te deslumbra quando tu queres, quando a tempestade passa, quando se cruzam direcções, quando um semáforo te da indicações para parar. Depois avanças, voltas a seguir em frente, mas voltas à curva e depressa cais vertiginosamente, susténs a respiração, num segundo estas novamente nos píncaros, mais um segundo e voltas à calma que te caracteriza.

Sinto-me numa montanha russa contigo.

Quando é que vai parar esta viagem?....

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:09
| Vossas memórias | Devaneios (2)
Sábado, 12 de Abril de 2008

Campo de batalha

Preciso de um canto para te arrumar.

Para te proteger contra as tempestades, o mau tempo que se adivinha. Luto contra a maré que teima em bater forte contra as rochas, luto contra as forças que teimam em eclodir no meu peito, luto contra o inevitável que se aproxima, luto contras as mas línguas que surgem a cada esquina, luto contra a parte da vida de que me afasta de ti. O que me move é saber que um dia a paz se vai instalar em mim, quando te sentir protegido. Quando nada te poder atingir. Quando a vida acertar passo com o destino.


Categorias:

Escrito por FlordeLis às 13:00
| Vossas memórias | Devaneios (7)

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Categorias

amigos(1)

aniversário(1)

ano novo(1)

contos(50)

dedicação(1)

desafios(2)

diário(74)

memórias(5)

musicas(1)

nadas(1)

natal(1)

páscoa(1)

pensamentos(16)

pequenos nadas(3)

poesia(20)

prémios(2)

registos(7)

todas as tags

Protected by Copyscape Duplicate Content Protection Tool