Quinta-feira, 21 de Agosto de 2008

Telefonema

 

 

 

 

 

 

Um sorriso. Um compasso de espera. Digito os números. Faço o telefonema. Um silencio. Um morder de lábios. Um “tou” do outro lado. Um alivio deste.

- Quero pedir-te uma coisa que sei que tu gostas…

- Ah sim...?

- Sim...

- E o que é…?

- Fode-me.

- Agora?

- Sim.

- Hum… Deixa-me ver. Por onde queres que comece?

- Por onde quiseres.

- Mas tens a certeza?

-Tenho. Quero agora.

- Ouve-se uma gargalhada do outro lado.

- Do que te ris?

- Do teu pedido.

- Porque?

- Porque sim.

- Já o fizemos algumas vezes.

- Eu sei, mas parece que te adivinhei o pensamento.

- Então?

- Espera mais um pouco e verás.

- Estas a deixar-me curiosa.

- Já falta pouco. Espera.

- E impaciente…

(toca a campainha)

- Tenho alguém a porta. Espera um pouco.

- Sim…

Espreitei pelo óculo. Arregalei os olhos.

A surpresa deu lugar à excitação, e a uma gargalhada agora vinda deste lado, aquela visita fez-me dar fim ao telefonema. Abri a porta.

Sorriste e sussurraste-me ao ouvido.

- Dizias... ?

 

 

 

 

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 22:56
| Vossas memórias | Devaneios (2)
Sexta-feira, 30 de Maio de 2008

Desejo

 

 

 

Sempre me deliciei quando sentia a tua viscosidade nas minhas mãos, na minha boca, quando entre o culminar da nossa excitação e o descanso dos nossos corpos te sentia assim, entregue, satisfeito no prazer que te invadia o corpo e te deixava inerte, quase sereno não fosse o ofegar da respiração que ainda se fazia sentir em ti.

Sempre que apenas me tocavas ainda vestidos a minha pele dava sinal, os meus seios rijos, sequiosos da tua boca, da tua língua, da violência dos movimentos em que mostravas que era tua, era e sempre foi um dos maiores sinais, que apenas bastava estares perto a poucos centímetros de me tocares e que apenas com a imaginação me elevava aos píncaros! Sim, agora sinto-me verdadeiramente entregue, não entrego apenas o meu corpo ao desejo, mas tudo em mim me revela, me denuncia. Tudo em mim sinto que te dou.

Quando me dou. Quando me queres. Quando estas aqui.

Onde estas agora?

 

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 23:06
| Vossas memórias | Devaneios (2)
Sexta-feira, 2 de Maio de 2008

Interrupçao

Nos últimos dias tem-me vindo à memória algumas das minhas experiências amorosas e algumas inclusivamente ate desastrosas, mas que deixam aquela velha saudade de repetir, ou pelo menos de voltar aqueles velhos tempos que parecem ter ficado bem longe.

Talvez porque esteja de ferias e algumas situações fizeram despoletar as memórias que tenho desses tempos.

Uma delas, passou-se quando ainda morava em Lisboa e num bairro antigo daqueles que todos nos tão bem conhecemos, onde existe uma igreja com um copula arredondada e que na escuridão da noite, tinha uma figura imponente, altiva mas que servia um pouco de esconderijo nos lugares mais recolhidos onde os casais de namorados que andavam por ai perto, davam largas a sua imaginação. Nessa noite, o céu estava estrelado, a noite quente, e o calor que aflorava entre mim e o Zé, um rapaz que tinha conhecido num trabalho a part time que tinha iniciado entretanto enquanto estudava, estava a dar ar da sua graça entre abraços e beijos, o roçar dos corpos, entre as mãos que percorriam sítios proibidos e que nos estavam a deixar de agua na boca, querendo mais ainda.

Estávamos nisto quando um senhor já de uma idade avançada abriu as portadas da janela de par em par e gritou do outro lado da rua.

Escusado será dizer que nos chamou todos os nomes e mais alguns, e que apanhamos um susto de morte, porque alem de estar tudo em silencio aquela hora da noite, desatou aos berros, mesmo que não estivéssemos a fazer nada que fosse mais alem do que descrevi, mas ouvimos de tudo, ate que esse mesmo senhor se decidiu a fechar novamente as portadas e voltar a sua vida.

Ficamos um bocado envergonhados, admito.

Quem é que já não foi apanhado em situações destas?...

No fim, ate nos rimos com a situação, e escusado será dizer que naquela altura alterou completamente o desenrolar dos acontecimentos…

Mas voltamos noutro dia…

E não voltamos a ver a dita figura!  

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 20:36
| Vossas memórias | Devaneios (4)
Quinta-feira, 17 de Abril de 2008

Destino

Parece-me que foi ontem que me pedias para esperar por ti.
Acreditei pelo que lutei por tanto tempo contra o que remava em direcção a mim, contra o nós que nunca existiu, contra tudo o que se passava a nossa volta, onde dávamos o nó à vida numa ilusão teimosamente inocente. Hoje acredito que lutei contra cavaleiros sem espada, que lutei contra a vida que segue o seu rumo, contra um destino em que não acredito. Apenas resta a magoa, o pouco da vida que me resta sem ti.
Se não sabes o que é Dor, não sabes o que é Amar. Se não sabes o que é esperar, não sabes o que é enlouquecer. Se não sabes perdoar é porque não sabes esquecer.
Eu fico com a dor.
Tu não sei.

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 21:11
| Vossas memórias | Devaneios (3)
Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2008

Pedaços meus



Sim. A minha vida seguiu em frente. Comecei por não gostar de ti e de te ignorar. Aos poucos conquistaste-me com o teu sorriso particular. Com a sinceridade que brotava de ti. Com o jeito desajeitado do teu ser. Os dias não pararam, nem as horas, nem os segundos mas a vida continuou o seu percurso. Segui em frente na estrada, escalei montanhas, desci vales e quase que cai em precipícios. As vezes quase que sinto que te esqueci, outras vezes ferve a saudade em mim. Mas a vida continua. E continuou no dia em que partiste. Quase que acredito que foi para sempre.

Porque a esperança não morre nem eu a quero deixar morrer.


Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias | Devaneios (3)

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Categorias

amigos(1)

aniversário(1)

ano novo(1)

contos(50)

dedicação(1)

desafios(2)

diário(74)

memórias(5)

musicas(1)

nadas(1)

natal(1)

páscoa(1)

pensamentos(16)

pequenos nadas(3)

poesia(20)

prémios(2)

registos(7)

todas as tags

Protected by Copyscape Duplicate Content Protection Tool