Sexta-feira, 31 de Janeiro de 2014

Fonte

 

 

Secaste a minha fonte.
O único sentimento válido que tinha para te passar. O único afeto que alguém conseguiria ainda no futuro reclamar. Arrancaste de mim lágrimas de um sítio que desconhecia, mas ninguém esteve aqui para as amparar. Extraíste de mim o que de melhor teria para partilhar. Subtraíste o que floresceu não sei bem de onde, mas que senti de uma forma tao natural, tao sublime. Nesse momento fui feliz. No seguinte incapaz. Nesse momento não cabia em mim de alegria. No seguinte senti-me abandonada. Nesse momento completa. No seguinte, espezinhada.
Quem padece com isto não sou eu. Desengana-te. Eu já não tenho cura. Quem reclama de mim apenas, aquilo que tu, sim, deixaste morrer. Aquilo que o tempo também não consegue sarar. Aquilo que a chuva intensa não consegue irrigar.

 

 


Escrito por FlordeLis às 12:51
| Vossas memórias

Memórias Recentes

...

Para ti...

Fonte

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Protected by Copyscape Duplicate Content Protection Tool