Segunda-feira, 29 de Novembro de 2010

Direcção

  

  

 

O meu GPS indica-me o meu trajecto favorito.

Mas eu já o tinha excluído. Uma vez. Várias vezes. Mas ele insiste em direccionar-me para ti, mesmo que tente banir a tua morada da sua memória. Mesmo que eu insista que não é para lá que quero ir. Mas volta a aparecer no ecrã, e eu volto a apagá-la sem resultado.

Quantas vezes mais vou ter que insistir… ?

 

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 15:49
| Vossas memórias
Sexta-feira, 26 de Novembro de 2010

Conto XI Parte

Dias passaram. Semanas também.

Raramente me lembrava daquele dia. A única coisa que me fazia lembrar de Pedro era o chapéu-de-chuva que ainda se encontrava no carro exactamente no mesmo sítio onde o tinha abandonado.

As minhas férias tinham finalmente chegado.

Depois de muita azáfama para que pudesse deixar tudo orientado, durante a última semana na empresa, este seria o meu primeiro dia de que teria realmente descanso, de duas semanas sem horários pré-definidos, sem pressões, sem o stress diário e objectivos para cumprir. O primeiro dia em que realmente pensaria exclusivamente em mim, e em que me deixaria deliciar a acordar um pouco mais tarde, e a tomar um banho mais relaxante e demorado. Daria-me a esse luxo já que todos os dias, o duche substituía o banho de imersão. Hoje teria finalmente esse prazer.

A manhã passou a correr e fazer almoço estava fora de questão.

O dia estava resplandecente, radioso, com uma ligeira brisa que fazia lembrar aqueles dias primaveris, diria perfeitos.

Convidava a um passeio longe da cidade, longe de tudo e de todos.

Um almoço leve, com poucas calorias seria o ideal e de preferência numa esplanada com pouca gente, iria ler um bom livro que compraria na minha livraria de eleição há vários anos, e aproveitaria os raios de sol que pareciam querer presentear-me parecendo querer comemorar comigo este primeiro dia de total languidez.

Onde me apetecia ir?...

Hum...............

E porque não?


Escrito por FlordeLis às 13:23
| Vossas memórias
Segunda-feira, 22 de Novembro de 2010

Voar...

 

 

 

 

Alicia-me na penumbra da cegueira.

Faz de mim tua refém, nos teus desvarios.

Sem receios. Sem pudores.

Como? Questionas…

Não é difícil.

Dá-te asas. Verbalizo…

 

 

 


Escrito por FlordeLis às 23:49
| Vossas memórias
Sábado, 20 de Novembro de 2010

Conto X parte

A sua voz era imponente, voz grave com um ligeiro sotaque inglês e no meio de algumas aventuras que me contou sobre as suas idas para o mar, eu sentia-me cada vez mais cativada pelo seu jeito tímido, pela forma como olhava de soslaio para mim, evitando olhar-me nos olhos, evitando um traço de simpatia mais expressivo ou até um sorriso.

Pedro encontrava-se distraído de volta da lareira.

- Tenho de ir…

- Sim, claro. Entendo.

Desejei que me tivesse pedido para ficar mais um pouco mas também sabia que não podia faze-lo, pois ainda tinha quase uma hora de caminho para fazer, e a chuva apesar de ter acalmado ainda estava bem presente e antes que piorasse novamente teria que abandonar a praia.

- Leve isto, ainda chove. Disse-me ao passar um guarda-chuva para a mão.

- Obrigada novamente por tudo. -disse-lhe antes de abrir a porta para o exterior. – Prometo devolver! Fazendo um movimento de reconhecimento ao guarda-chuva.

Esboçou pela primeira vez um sorriso. Tímido mas mesmo assim um sorriso que me enterneceu.

Fiquei com a sensação que nenhum dos dois desejou que aquele momento de despedida chegasse, mas era inevitável.

Já de regresso às dunas e à passagem que as dividia, olhei para trás e vi-o à entrada da porta a acenar-me.

Acenei de volta. Por instantes apeteceu-me voltar aquele local em breve.


Escrito por FlordeLis às 07:47
| Vossas memórias | Devaneios (2)
Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010

Escrevo

 

 

Rabisco porque me liberto.

Porque detrás de cada letra que se transforma irradio muito do que sou, mesmo que não saibam o significado do que [te] digo, mesmo que as palavras vos pareçam desordenadas, sem nexo, sem qualquer fundamento para que as mesmas sejam ditas.

Rabisco porque sinto. Julgam que me conhecem e regozijo com isso. Gargalho silenciosamente através dessas mesmas palavras, porque através das mesmas atordoo, silencio-me, mas deixo suspensas meditações que vos levam a fantasiar.

Não busco compreensão, no que [Te] escrevo.

Apenas me solto através das palavras porque com elas o que sinto alcança vida, ganha uma forma mesmo que com nada se pareça.

Forma essa que me transforma, forma essa em que me avalio.

E [me] dou de mim.

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 13:12
| Vossas memórias

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Categorias

amigos(1)

aniversário(1)

ano novo(1)

contos(50)

dedicação(1)

desafios(2)

diário(74)

memórias(5)

musicas(1)

nadas(1)

natal(1)

páscoa(1)

pensamentos(16)

pequenos nadas(3)

poesia(20)

prémios(2)

registos(7)

todas as tags

Protected by Copyscape Duplicate Content Protection Tool