Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2007

Feliz Ano Novo.


Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias | Devaneios (3)
Domingo, 23 de Dezembro de 2007

Um feliz Natal.

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 23:00
| Vossas memórias | Devaneios (5)
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007

Rasgos

Rasgo-me em mil pedaços para te desprezar. Recuso as falsas sensações que despertaste em mim. Às falsas alegrias, alterno a hipocrisia das palavras ditas em tantos momentos que me pareciam únicos. Agora junto pedaço a pedaço para ler nas entrelinhas o que preferi recusar-me a ver.

Mesmo assim, resta-me o vazio.

Nos espaços em branco. Nas palavras ditas. Em tudo de ti.

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias | Devaneios (4)
Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

Contos III

Ele seria o primeiro.

Não parava de pensar nisto, com medo de a magoar, de se expandir como faria com qualquer outra mulher. Os seus dedos exploravam cada centímetro do corpo dela, inocente e ainda tenso, que se ia agora enfraquecendo aos poucos à reacção daqueles toques subtis que ele lhe proporcionava meticulosamente, sabendo bem as sensações que lhe provocava.

Ela mergulhava na sua boca, e sentia-se ousada por descobrir aquele sabor tão doce vindo dele, e ao mesmo tempo se revelava firme e decidida, tentando se abstrair de tudo o resto, deixando de recear, entregando-se ainda que a medo aquele homem que parecia saber muito bem o que fazia.

Como pequenos gestos podia-lhe provocar sensações que lhe atravessavam o corpo em instantes que se repetiam e que a faziam contorcer, ir de encontro ao seu corpo quente que se mostrava decidido a possui-la, mas com calma.

Essa calma que a estava a matar, mas que a faziam amolecer, pensava ele, e que a faziam perder o medo, entregar-se as novas sensações que surgiam a cada instante que a arrebatava, e que a surpreendiam.

Os seus seios correspondiam a cada toque, cabendo em suas mãos e a cada toque de lábios, rendia-se a uma sensação nova que lhe aflorava na pele.

Olhava para ele agora e via as suas expressões enquanto ele beijava as suas ancas e percorria todo o seu intimo com carícias circulares, carícias que a faziam estremecer de deleite, e de choque, mas que não demonstravam urgência em a possuir, deixando que ela sentisse tudo o que ele tinha para lhe proporcionar.

Louco de desejo à muito reprimido, pelo seu odor, pela pele macia que sentia a cada toque, provou-a deleitando-se com o seu sabor a mel e a jasmim.

Ela soltou um gemido profundo, seguido de espasmos que percorriam o seu corpo apenas por instinto puro, pelo prazer que a cobria, pelo deleite de sensações que afloravam-lhe na pele.

Olhou para aquele rosto que aos seus olhos era perfeito, parecia quase um anjo, se é que ele alguma vez tinha visto algum, mas mesmo assim imaginava que seria parecido com o dela. Ela afogou-se nos seus braços e conseguiu sentir ainda a reacção do corpo dela aquela desconhecida sensação.

Sentiu-se feliz. Por ela.

 

 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias | Devaneios (4)
Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2007

Conto - II

Com serenidade, percorria o caminho que a conduzira aquele lugar que considerou tão especial naquele dia, que por mero acaso tinha descoberto quando andava perdida por ali.

Tentava agora percorrer aquelas ruas organizando-as mentalmente, retrocedendo aquele dia tentando seguir agora pelas mesmas ruelas e esquinas que tinha percorrido a uns anos atrás, pela mesma ordem, revivendo não só os passos dados, mas também o que a tinha levado até aquele lugar.

A mente transtornada que tentava arrumar os seus pensamentos dos episódios vividos a horas atrás, mas sem resultado, os sentimentos confusos que se multiplicavam e que tinham assolado no seu coração, as lágrimas que corriam sem controlo, as roupas molhadas que se colavam ao corpo e que davam uma sensação demasiadamente desconfortável, tudo isto e mais um misto de emoções, às quais não lhes sabia dar nome levou-a a olhar com alguma serenidade para aquele sitio que parecia magico aos olhos de quem estava a viver uma turbulência de emoções.

Debaixo daquela ponte, e mesmo junto ao rio, um misto de vários tons de azul e verde combinavam-se entre si, e ao luar parecia que o próprio rio se tinha transformado, reluzente com os reflexos da lua, prateado em vários pontos, transpirando a calma, onde apenas se ouvia um ou outro carro que passava ainda longe dali. O som das pequenas ondas batiam no mural que separava a pequena e ténue linha entre a terra e a agua, e ali, sem ouvir mais nada que atrapalhasse o estado de espírito que se tinha inundado dela, respirou fundo, sentiu o aroma a agua salgada fundida com o doce do rio e observou em silencio, o outro lado da margem com pequenos feixes de luz que se sobrepunham a escuridão imensa acima do nível da agua e reviveu, reviveu todo o sucesso daquela noite, num misto de medo, pânico e satisfação.

E ali ficou, ate ao primeiro raio de luz principiar no horizonte.

 

Respondendo a um desafio, aqui esta ele... http://memoriasecretasii.blogs.sapo.pt/

 


 
Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias

Memórias Recentes

...

Para ti...

Fonte

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Protected by Copyscape Duplicate Content Protection Tool