Quarta-feira, 30 de Agosto de 2006

"De regresso..."

                                               

Estávamos numa daquelas noites de Primavera quentes mas que persistia em cair aquela chuva muito miudinha, e como sempre tive pena que tivéssemos que ir embora, pois cada um de nós tinha a sua vida em cidades diferentes, o que tornava complicado os nossos encontros. Mas já depois de nos termos deliciado com um simples jantar numa esplanada ao pé da praia, e de termos passado horas a caminhar ao longo dela, naquela cidade que sempre foi a preferida para nós, chegámos à conclusão mas a muito custo, que estava na hora de retomarmos os nossos rumos…

Ao som de uma melodia que estava a dar na rádio, e já na auto-estrada revivia o resto de noite que tinha passado ao teu lado assim como me recordava de tudo o que tínhamos falado. A noite estava clara, apesar da chuva que caia no pára-brisas e contava chegar a casa dentro de uma hora aproximadamente…

Envolvida nestes pensamentos, um ruído fez-me voltar à realidade, era o telemóvel que tocava.

-Então, passa-se alguma coisa…? Perguntei eu depois de olhar para o visor e ver que se tratava do João.

- Sim, tive uma avaria e como aqui não há luz, pensei que podias….

-Assim que chegar à próxima saída dou a volta. Disse eu sem hesitar, adivinhando os pensamentos dele.

-Até já, vem com cuidado…

Assim que cheguei, ao fim de já quase uma meia hora, estivemos ali uns minutos debruçados a tentar descobrir o que se passava, sem grande sucesso… desistimos e aninhamo-nos dentro do carro devido à chuva que caia agora mais forte, fazendo aquele som habitual dos pingos a bater no vidro.

- Sabes, o que estava mesmo a precisar era de companhia, já chamei o reboque… disse-me com um olhar de sacana, como lhe costumava chamar sempre que ele fazia aquela cara de criança mas cheio de segundas intenções.        

Quando dei por mim, já estávamos entregues aos nossos beijos, intensamente como sempre acontecia, quando cedíamos ao prazer, puxaste-me para ti, agarraste-me com força e sentia-os como pedidos de entrega, de paixão compulsiva, de tesão… depressa desapertei-te os botões das calças e agarrei o teu sexo que denunciava o teu desejo e abstraída ao movimento constante do trânsito que passavam mesmo ali ao lado, agarrei-o e com movimentos vigorosos chupei-o, lambi-o enquanto observava a tua expressão… 

Não tardaste em desapertares-me as calças, alheio aos desejos do teu corpo de um orgasmo quase instantâneo que teimaste em adiar, e enfiaste com cuidado a tua mão à procura do meu clítoris que estava latejante já naquela altura, húmido, entregue ao desejo prévio do que se iria passar… soltei um gemido quando senti os teus dedos, não parando de te acariciar, de te morder os mamilos, de te tocar…

Os vidros embaciados pelo ar quente das nossas respirações acusava perfeitamente o que estávamos a fazer, mas nada nos iria parar…

Algum tempo depois, já no caminho de volta a casa, sorria denunciando os motivos que me fizeram voltar para trás… sempre soube que não se tratava de uma avaria súbita, o que seria improvável visto que o carro dele tinha vindo de uma revisão no dia anterior…

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias | Devaneios (10)
Domingo, 27 de Agosto de 2006

Olá, meu amor...

                         

Estou aqui para te  escrever esta carta, embora saiba que não a vás ler, mas ultimamente tenho pensado mais em nós e esta foi a melhor das  maneiras que encontrei para afagar a dor, para libertar as emoções que escondo, para gritar ao mundo sem que ninguém me ouça, o quanto sinto a tua falta... sabes bem como sou com sentimentos, não é fácil deixar transparecer o que me vai na alma, serei sempre forte para o resto do mundo... mas não para ti.

Não sei se é porque tenho passado para o papel algumas das experiências que passamos juntos, e isso me tenha reavivado ainda mais as memórias que tenho de ti, se é apenas a saudade que tem aberto mais as feridas que ao longo do tempo tem custado a sarar e que tenho tentado esquecer-me que existem, se é porque ultimamente tenho ouvido mais "o meu primeiro beijo...." mesmo sem ter comprado o disco, se foi pelas fotografias que à tanto tempo perdidas e que pensava que não as voltaria a encontrar, apareceram como  magia.... São sinais, que não sei o que significam, mas devolve em mim uma ténue esperança que nada morreu, que apenas foi adiado e que aqui ou noutra vida qualquer vamos recuperar... quem sabe se o destino não nos volta a unir, sabes bem que não acredito que a vida tenha caminhos previamente traçados, conheces-me bem, melhor que ninguém , diria mesmo...mas, mesmo assim quem sabe o que o futuro nos reserva. Posso apenas te falar no presente, e neste  momento apenas me apetecia dizer-te........

 - Olá, meu amor..........

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias | Devaneios (8)
Quinta-feira, 24 de Agosto de 2006

"Maliciosamente..."

 

Levaste-me para tua casa depois de um jantar já à algum tempo planeado.

Disseste-me que a tua mulher tinha ido passar uns dias fora a casa de familiares, soltaste um sorriso malicioso. Percebi que já tinhas tudo planeado e eu cinicamente respondi, ainda bem, fazendo uma expressão de quem já estava à espera da chegada daquele momento, a ideia de invadir o teu espaço, o espaço que dividias com a tua mulher, a ideia de fazer sexo na cama em que te deitavas com ela, fascinou-me…
Entregava-me a estes pensamentos, enquanto foste abrir uma garrafa de vinho…. Brindamos àquele momento,e depois de algumas gargalhadas desprendidas, começaste a agarrar-me , a tocar nos meus seios,completamente rendidos, tiraste-me a blusa , quase a rasgaste no calor do momento,mordeste-me os mamilos com um prazer louco, chupaste-me os dedos. Tiraste-me o resto da roupa, sem qualquer tipo de rodeios. Eu comecei a estremecer com a imaginação a trabalhar… deitaste-me no sofá, afastaste-me as pernas e lambeste-me rodeando o meu clítoris, transformando aquele momento numa tesão louca, vinda tão depressa não sei bem de onde. Aqueles teus movimentos depressa me fizeram atingir um orgasmo sem qualquer tipo de despeito, pudor, ou culpa..
Sem demoras deste-me o teu sexo teso, húmido e loucamente apetecível para chupar e não me fiz de rogada… chupei-o, lambi-o e olhava para ti enquanto te fazia isto contemplando as tuas expressões de puro prazer… o teu leite jorrou para cima do meu peito sem demora, e deste-me a provar… lambi-o com satisfação!
Mas o teu  desejo não parou aí… ainda louco, como se nada se tivesse passado, agarraste-me e levaste-me completamente empoleirada em ti para a tua cama e deitaste-me de lado , contigo por trás. Beijaste-me o pescoço, mordeste-o até, tal era o teu desejo de me possuíres, de alcançar mais um momento de prazer voraz. Seguraste-me firme e penetraste-me desta vez… conseguia ouvir o teu respirar mas nada regular, aflito até, conseguia sentir o ar quente que vinha da tua respiração… apertaste as minhas nádegas e completamente húmidos consumias-me o ânus e delirávamos com isso, os dois...! os gestos ritmados voltaram, viraste-me outra vez e ficaste por cima de mim, comigo deitada de costas e naquela posição dominada e já rendida puxavas-me contra ti várias vezes, dizendo-me baixinho… “Vem-te para mim cabra.... dá-me a tua tesão… “ No meio da emoção e do efeito que aquelas palavras produziram em mim, que me excitaram ainda mais, soltamos ambos vários gemidos estridentes, tivemos orgasmos, entregamo-nos à luxúria daquele momento… senti-me satisfeita e deliciosamente surpreendida por teres atendido ao meu pedido de me chamares palavrões, depois de te teres mostrado tão renitente quando te fiz a sugestão..
 
Exaustos e encharcados de suor, mas abraçados e sorrindo, disseste-me baixinho….
 
- Temos que repetir esta experiência mais vezes…
 

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias | Devaneios (18)
Terça-feira, 22 de Agosto de 2006

"Sinto-me..."

Não me canso de sentir esta doce sensação que me percorre o ego…

Gosto de sair à rua e à medida que o meu corpo balança, agitando-se a um ritmo mais ou menos compassado, sinto os olhares de quem me segue, de quem me vê, como uma Mulher, como ser sensual, como aquela que desperta o mais bravio dos instintos em ti, naquele lá do canto, e em mais alguns que se juntam a este rodopiar de olhares que me seguem, que me apreciam, que sonham…

Preenche-me a alma saber que apesar de não ser o modelo ideal de mulher que há quem me siga com o olhar e que fingindo que não vejo, que não estou atenta, e até distraida, lanço um olhar discreto como quem não vê, ou não se percebe do que se está a passar em redor … discreto, mas que sendo inofensivo, parece dizer... podem olhar, apreciar, admirar... Sei que o meu olhar me revela, mas não me canso de me rir por dentro, imaginar, sonhar… assim como os vossos devaneios apenas se tratam de sonhos, que nada vão mudar, alterar ou realizar…

Sorrio ao pensar que apesar de não ser perfeita, há quem aprecie, delire, e se volte na minha direcção, apesar de não parar, não me denunciar, não me revelar enquanto me afasto e deixo para trás um perfume envolvente, que me envolve a mim, a ti, aos outros  lá do canto e a mais alguns….

Gosto de me sentir desejada, admirada, cobiçada pelos sentidos, especialmente por ti,mas nao impeço ninguém de olhar...

A vossa imaginaçao alimentam as vossas fantasias, o meu ego, e o meu grande prazer de ter nascido Mulher...

Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias | Devaneios (8)
Domingo, 20 de Agosto de 2006

"O meu primeiro beijo"

"Recebi o teu bilhete
Para ir ter ao jardim
A tua caixa de segredos
Queres abri-la para mim

E tu não vais fraquejar
Ninguém vai saber de nada
Juro não me vou gabar
A minha boca é sagrada

De estar mesmo atrás de ti
Ver-te da minha carteira
Sei de cor o teu cabelo
Sei o champôo a que cheira

Já não como já não durmo
E eu caia se te minto
Haverá gente informada
Se é amor isto o que sinto

Quero o meu primeiro beijo
Não quero ficar impune
E dizer-te cara á cara
Muito mais é o que nos une
Que aquilo que nos separa

Promete lá outro encontro
Foi tão fugaz que nem deu
Para ver como era o fogo
Que a tua boca prometeu

Pensava que a tua língua
Sabia à flor do jasmim
Sabe a chicla de mentol
E eu gosto dela assim

Quero o meu primeiro beijo
Não quero ficar impune
E dizer-te cara á cara
Muito mais é o que nos une
Que aquilo que nos separa"
 
Primeiro beijo
Carlos Tê / Rui Veloso
  • ps. esta canção marcou-me numa determinada altura da minha vida...........
Categorias:

Escrito por FlordeLis às 00:00
| Vossas memórias | Devaneios (28)

Memórias Recentes

...

Para ti...

Fonte

Memórias Passadas

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Protected by Copyscape Duplicate Content Protection Tool